sexta-feira, 3 de abril de 2009

- Primavera.

E andando em um jardim de não ser,
pisei,
meio sem querer,
na flor mais bela,
a mais amarela,
de toda aquela paragem.

as outras flores,
desdenhosas,
se jogaram aos horrores
do chão, num suicídio,
floricidio,
floral e coletivo.

em 18 de novembro,
eu matei a primavera.

2 comentários:

  1. O sol rasga os panos do horizonte
    Em pacífico brilho de sua magnitude…
    Cadenciado ondular que em mar bronze,
    Excelsa beleza no marulhar da virtude!

    A rocha na ânsia do dia, bebe sedenta do mar,
    Firmada num profundo e desigual chão azul …
    Cristalizadas águas reflectem o planar,
    Das majestosas e imperais… gaivotas do sul!

    Gostava que comigo
    Desse asas á sua imaginação,
    No… “Portal da rocha… penedo do guincho!”

    Um bom fim-de-semana,
    Com muita inspiração
    E na mente… um sorriso!

    O eterno abraço…

    -MANZAS-

    ResponderExcluir
  2. Que lindo isso Will, amei...

    E agora a pergunta que meta:

    Foi vc mesmo que escreveu???hahahaha

    Ameiiiiiiii

    ResponderExcluir