segunda-feira, 7 de março de 2011

Arrombando a porta dos armários

Só quem é gay (ou LGBT, pra ser politicamente correto) sabe o quanto é difícil fazer o outing, ou seja, sair do armário da hipocrisia para um mundo heteronormativo hostil e que não respeita a diversidade. Muitos passam a vida vestindo e trocando as mascaras da conveniência e nunca abrem o jogo sobre sua orientação sexual, nem com seus amigos mais próximos. Uns não abrem o jogo nem pra si mesmos. Este medo (justificável, é verdade), talvez seja um grande impeditivo para a visibilidade e os avanços dos diretos dos LGBTs no Brasil.

A argumentação dos que falarão contrariamente ao chamado para que arrombemos as portas dos armários tem seus méritos. A sexualidade (e sua orientação) é um aspecto da vida privada de cada um, e ela deve manter-se neste âmbito, de acordo com o desejo de cada um. O que proponho aqui é um chamado aos que são bem resolvidos em relação a sua sexualidade e em como expressa-la. Também deixo claro que em alguns ambientes, as demonstrações deste tipo são temerosas, mas o risco existe em qualquer lugar, até nos ambientes mais amigáveis aos homossexuais.

O cineasta americano Michael Moore, em seu último filme, Sicko, fez um comparativo sobre a vida das pessoas com deficiência física nos Estados Unidos e nos Países Escandinavos. Ao chegar a Suécia, Moore ficou impressionado com a quantidade de pessoas com algum tipo deficiência física nas ruas, e foi questionar as autoridades locais sobre uma possível guerra ou surto de uma doença generativa. Ele descobriu que, na verdade, apesar de parecer em número muito maior nas ruas, a cidade tem um número de deficientes muito menor do que qualquer grande cidade americana, mas com uma diferença: eles saem nas ruas, são vistos. Eles existem.

A passagem ilustra meu ponto: gestos de afeto em público ajudam as pessoas a verem casais homossexuais como ‘normais’, mesmo dentro de um ambiente heteronormativo. Nós temos que existir, que marcar território, e gritar, silenciosamente, que estamos ali. Como diria meu pai, ‘quem não é visto, não é lembrado’. Respeitando os limites que todos nós gostamos de ver respeitados, já que hoje em dia casais heteros estão transando e se amassando em todos os cantos, nós, comunidade LGBT, devemos dar o exemplo, demonstrando publicamente nosso afeto, sem desrespeitar ninguém.

Andar de mãos dadas nas ruas, mesmo das cidades pequenas, dar um beijo carinhoso no namorado no restaurante, abraçar a namorada na fila do cinema, apresentar o ficante como ficante mesmo, e não como ‘amigo’. São pequenas ações que dão visibilidade a diversidade. São pequenas ações que demonstram que existem LGBTs em todos os cantos, de todos os jeitos, e que a homofobia, a intolerância e o preconceito não têm vez contra uma multidão que luta pela diversidade, pelo respeito e pelo amor.

13 comentários:

  1. Vamos dominar o mundo /o/

    ResponderExcluir
  2. Não seria o caso de pedir aos "famosos" da tv que se assumam, para diminuir o preconceito?

    Eu fico imaginando aqueles adolescentes de interior, classe média baixa, morrendo de medo de se assumir, achando que a cidade inteira vai julgar, acusar, discriminar.

    Medo da igreja, medo da família, medo dos vizinhos.

    Imagina se o Evaristo Costa aparece e assume finalmente na tv: "é, eu sou gay." Ou o Gianecchini? Fica muito mais fácil pro adolescente pobrinho do interior (e de todo lugar) se assumir e ser aceito pela família, vizinhos. "O cara famoso da tv também é."

    Eu queria saber o que os gays acham disso, ou pelo menos você. Pra mim, parece terrivelmente lógico.

    ResponderExcluir
  3. O único vestígio do carnaval que eu gostaria que as pessoas levassem com elas durante os demais dias do ano é a alegria de viverem as suas vidas sem medo de ser julgadadas.

    Parabéns pelo post, Lu! (by Serra. HAHA). Paralelo à luta por nossos direitos, devemos também, de alguma forma, encorajar aqueles que ainda estão no armário a saírem e viverem uma vida plena com verdade, sem medo de ser feliz. =)

    ResponderExcluir
  4. Eu concordo. Eu acho que demonstrações de afeto aos poucos podem dar visibilidade, e positiva. Até porque tem muita gente que em vez de abraços ou carinhos quer mesmo é foder na frente dos outros para criar polêmica, e não é bem assim que a coisa anda... E com o tempo alguns vão saindo do armário, ou da bolha, do medo de assumirem o amor em público.
    Olha, eu devo dizer que não tenho problema nenhum com isso. Meu sonho é poder namorar, passear de mãos dadas, sou uma tristeza de tão romântico... XD O único empecilho é que não acho ninguém. XD
    Blog favoritado. Ótimo texto, parabéns.

    ResponderExcluir
  5. Achei digno o texto, mas uma coisa que tem me preocupado muito é esse "Andar de mãos dadas nas ruas, mesmo das cidades pequenas, dar um beijo carinhoso no namorado no restaurante, abraçar a namorada na fila do cinema, apresentar o ficante como ficante mesmo, e não como ‘amigo’." É preocupante ver o que tem acontecido aqui no Rio justamente por causa dessas pequenas ações. Da nojo de viver num lugar onde homossexualidade é vista como uma doença ou disturbio, graças ao que chamamos hoje de religião.

    ResponderExcluir
  6. Esses referidos gestos de afeto em público, com certeza trás um visão positiva para nós gays. O que de cara eu pensei foi o fato de alguns de nós, infelizmente, ir além desse afeto e pior, agir como se não estivesse em um lugar público. Grita, dança, obcenidades e roupas extravagantes...
    Pode parecer que estou sendo preconceituoso, mas não é por aí, sério. Sou um grande fã da cultura gay, do extravagante, da liberdade expressiva e da sensibilidade que nós gays temos, praticamente de natureza. Também não sou nenhum "arrumadinho e bonitinho que não curte afeminados" como uns que tem surgido por aí... Mas a questão, é que somos nós a menoria injustiçada. Não podemos simplesmente sair ás ruas e demonstrar os nossos gestos amorosos, enquanto o colega do lado está fazendo uma "barraca do beijo" em praça pública. De quem vocês acham que a velhinha que dá pipoca aos pombos vai lembrar; dos gays que estão no banco com seus gestos ou do gay que está "arrazando"?
    As coisas realmente não são fáceis, e penso que o nosso problema é mais interno do que com o resto da sociedade.

    ResponderExcluir
  7. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  8. Concordo plenamente com seu ponto de vista no que diz respeito à esses pequenos gestos. Acredito que uma pessoa não vai ter base para te agredir (fisica ou moralmente) se você demonstra estar totalmente seguro dos seus atos. O problema realmente são os gays que ao invés de se colocarem como ser humano, cidadão e além disso gay, colocam o fato de ser homossexual antes de tudo e acabam esteriotipando um gay que chega a ser cômico, como disse o Alexandre.
    Mais que isso, conheço casos de uma heterofobia absurda, gays que não conseguem sequer manter uma conversa com uma pessoa hétero que não seja a mãe ou a melhor amiga. Defende de maneira gritante os direitos gays e se isolam numa bolha ao mesmo tempo.
    Enfim, vivemos em tempos que não se assumir ou não aceitar a própria homossexualidade é algo doentio e deve ser tratado. Vejo esse assunto com visão otimista, creio que em breve esse ato de "sair do armário" será algo ainda mais simples e fácil, tanto pro indivíduo que se assume quanto pra sociedade que o cerca.

    ResponderExcluir
  9. Verdade!
    Como sair do armario, é importante, para que haja mudanças.

    ResponderExcluir
  10. Em minha opinião, um dos maiores desafios para a aceitação homossexual é a religião. É preciso que ela veja que as pessoas precisam viver com um amor e nao com uma mentira de uma pessoa gay viver como heterossexual.

    ResponderExcluir
  11. Se você ainda não se assumiu e quer compartilhar experiencias com outras pessoas na mesma situação conheça meu blog:

    http://seassumirounao.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir